domingo, 27 de janeiro de 2008

Filhos do Coração


Há já algum tempo que sinto vontade de escrever sobre adopção.
Mas não vou escrever sobre as dificuldades que surgem aos casais quando decidem envergar por este caminho. São geralmente casos de casais que não conseguem ter um filho biológico.
Não vou falar da quantidade de crianças que esperam em instituições, por uma decisão do tribunal, para ficarem habilitadas a serem ou não adoptadas, ou entregues aos pais biológicos, porque afinal já deixaram de ser toxicodependentes, ou porque vão ser acompanhados por uma psicóloga ou por uma assistente social, que tem cerca de 4.000 crianças entregues a si e que obviamente não poderá dar apoio a estas crianças.
.
.
Não hoje quero escrever sobre casos reais, que conheço muito bem. Casos de sucesso e que presenciei porque se passaram com pessoas muito minhas amigas. Por isso casos vividos e acompanhados por mim.
.
.
A Rita e o Pedro são um casal que não podiam ter filhos biológicos, tentaram tudo, mas nada funcionou. Recordo que ela se afastava sempre que o assunto eram crianças. Mesmo quando uma amiga surgia com o seu bebé ao colo, ela parecia que não o via. Cedo entendi o seu sofrimento e sempre o respeitei. Várias vezes falamos a sós sobre o facto de ela não conseguir engravidar. Contava-me todo o percurso porque já tinha passado, o sofrimento físico e psicológico, mas nunca me falou da hipótese da adopção. Eu sentia-a sempre triste, como morta por dentro, sem sorriso e muito fechada. Um dia ao entrar em minha casa reparei que no seu carro se encontrava uma cadeirinha de bebé, bonita e cheia de brinquedos de criança. Juro que a primeira ideia que me surgia foi adopção! Adoptaram um bebé. Mas como me parecia algo demasiado maravilhoso, coloquei outra hipótese mais plausível. É um primo, tentei convencer-me. Ainda não tinha fechado a minha porta, quando os ouço chamarem-me. Recordo tão bem, olhei e vi algo que guardarei para sempre. Os meus amigos com um sorriso que lhes saída espontaneamente do coração, muito colados e no meio estava um menino lindo, com um ar observador, mas tranquilo. Pensei que teria um ano talvez, mas aquela imagem tocou me tanto, que a alegria deles era a minha e quase não consegui falar. Foi como se de um nascimento se tratasse, naquele instante. Corri para eles sem hesitar, abracei os e entre beijos e mimos, tentei a custo perguntar quem era aquele menino? Como se eu não soubesse. Falamos depois com calma e fiquei a saber que tinha recorrido à adopção, mas não escolheram sexo nem raça, nem idade sequer. Por isso foi rápido e apareceu este menino Africano, que já andava, mas que precisava de um pai e de uma mãe. Bem também de uma tia emprestada, que sou eu! Lembro-me que depois da nossa conversa, corri e fui comprar o seu primeiro brinquedo, colocando de fora os que os pais já tinham comprado. Foi o boneco mais bonito que encontrei, que ficou na cama deste menino que finalmente ia ter uma família.
Estes meus amigos, mudaram completamente, e se já gostava deles, passei a admira-los ainda mais.
.
.
Vivi mais um caso idêntico àquele que vos contei, mas este consegue ser ainda mais original. Porque estes meus amigos, para além de também nada exigirem, aquando da proposta para adopção. Adoptaram um casal de irmãos, também africanos e que já tinham 6 e 8 anos. Este casal é tão novo que não teriam normalmente idade para terem filhos daquela idade. Tenho acompanhado o percurso, e posso dizer-vos que estas crianças se tem vindo a transformar, ele por exemplo, era muito tímido e sensível. lembro-me de um dia em que estávamos todos juntos e havia mais crianças e ele começou a chorar sem que houvesse motivo. Eu que estava mesmo ao seu lado, olhei para o pai e fiz-lhe um pequeno sinal visual que ele entendeu de imediato, sorrio-me e aproximou-se, agarrou-o com extremo carinho e ficam assim algum tempo, sem que se conseguisse ouvir o que falavam, notei a grande intimidade que existia entre eles, o amor daquele pai por aquele filho. Há dias estivemos juntos, estão com 11 e 13 anos, lindos, felizes, tranquilos, exactamente como qualquer outra criança que não tivesse passado por tudo o que estes passaram. Ao falar com a mãe, transmiti-lhe o que sentia, o que via, ela feliz, mas contida, sorrio-me e transmitiu-me o milagre que tem visto no crescimento destes dois meninos. O mérito é sem dúvida destes pais, que incondicionalmente tem sabido amar, compreender e ajudar estas duas crianças a crescer.
.
.
Mas hoje não fico por aqui, por incrível que pareca no meio dos meus amigos do coração, ainda existe outra família que por motivos distintos também recorreu à adopção. Este é mesmo um caso pouco frequente e por isso eu até lhe chamo especial. Eu creio que este casal e as suas duas filhas biológicas são mesmo muito especiais.
.
.
Um dia a Filomena, foi fazer uma visita a uma amiga que tinha acabado de ter um bebé, mas como tinha nascido antes do tempo, estava na incubadora. A minha amiga Filomena, foi espreita-lo, pois não podia entrar. Mas ao observar o bebé da sua amiga, reparou num outro que estava ao seu lado. Ficou intrigada com o facto de este ser bastante maior que qualquer outro bebé, reparou que estava entubado e demasiado parado. Ficou tão tocada que questionou a enfermeira sobre aquele bebé. A resposta veio pronta, como se já tivesse sido dada centenas de vezes, mas ainda assim, a enfermeira explicou, que a mãe o abandonou assim que o acabou de ter. Era toxicodependente, nunca fora acompanhada durante a gravidez e este bebé tinha nascido com imensos problemas. Tinha nascido muito antes do tempo, e tinha guerreado para conseguir ficar por cá. Mas sofria de paralisia cerebral profunda, nunca iria falar, andar nem sorrir. Esta minha amiga já tinha duas filhas de 10 e 13 anos, trabalhava e tinha uma vida tranquila. Mas a visão daquele bebé não lhe saia da cabeça, de modo que passou a ir à maternidade visita-lo. Rapidamente entendeu o que sentia e que não queria sentir. Mas era algo tão forte, que decidiu falar com toda a família e explicar o que gostaria de fazer. Eles adoptaram este bebé. Entre imensas mudanças que a vinda do Manel trouxe a esta família, a maior foi o facto desta minha amiga ter deixado de trabalhar para poder cuidar dele. O Manel vai crescendo, mas não anda, não vê e só emite uns sons que a mãe diz entender. Este foi o maior acto de amor que presenciei até hoje. Pois não conheço outro igual e digo-vos que quando estamos todos juntos sinto uma paz e uma harmonia difícil de explicar. Adoro estas pessoas, pois aquilo que fizeram foi do mais elevado que algum ser humano pode fazer.
.
.
Por isso não me digam que tudo é mau, que não se pode confiar em ninguém, que eu sou sonhadora e mimada. Desculpem eu tenho é muita sorte por ter cruzado um dia com pessoas tão extraordinárias como estas e que tanto tem para me ensinar.
.
.
.
Mimos meus
:
Foto da Net
Os nomes foram alterádos por motivos obvios

33 comentários:

Blue Velvet disse...

Querida Mimo-te, não esperava encontrar aqui este post.
Mas foi uma boa, uma linda surpresa.
Tenho uma excelente relação com a figura da adopção ( já estive aliás, prestes a adoptar uma criança. Talvez um dia conte a história).
Mas enquanto que quando engravidam, as mulheres não podem escolher nada, quando adoptam, escolhem tudo: sexo, idade, cor de olhos, todos os pormenores.
Assim, dois irmãos, de raça negra e crescidinhos, tinham todas as condições para nunca serem adoptados.
Deus levou os teu amigos até lá.
Em boa hora.
Mas o caso do bébé é espantoso.
Anda meio mundo a falar de amor. As pessoas sabem lá o que é amor.
Amor com A grande, esse sabe a tua amiga.
Que grande ser humano.
E agora, minha querida, acho que pela 1ª vez vou ter de discordar de ti: és sonhadora sim, as pessoas são más sim, tu é que por alguma razão, se calhar por também seres especial, tiveste a sorte de ter gente especial como amigos.
A humanidade não é assim.
Mas continua a sonhar.
Talvez se cheguem a ti mais pessoas especiais.
Um grande beijinho e desta vez, mimos muito especiais.

Acordomar disse...

Muito sorte, sim, é essa a palavra. E sempre vamos sabendo de tao nobres acções como as que aqui descreves. Bem hajam

Um grd beijinho para ti ***

Maria disse...

Este post é muito difícil, pra mim. Por várias razões.
Só quero dizer que para mim a foto se chama "o beijo" e o post se chama "ternura"...

Beijos

Pires disse...

Falamos tantas vezes de tantas coisas sem as entender,como se as palavras brotassem na nossa lingua.Mas ha temas que muito provavelmente jamais vamos entender ou ter palavras para os descrever.Olho para o que escreveste e vejo um sorriso do tamanho do mundo,uma alegria imensa e uma noçao rude de o quanto és preveligiada por ter amigos como os casos descritos.E como te tornas mais amada e mais Humana por ter tanto AMOR e tanta HUMANIDADE no teu circulo de amigos.Devem ser louvados e admirados não como excepções a regra mas como exemplos a seguir.Ainda há esperança para nós.

su disse...

Que te chamem sonhadora...não é verdade?! Uma sonhadora que gosta de pôr as coisas na realidade, transformar os sonhos falando deles e partilhando a sua possibilidade de concretização.
Esta questão da adopção é muito delicada.
Conheço um casal de amigos que casou, planeou tudo, fizeram uma casa enorme, com quartos para os quatro filhos que ela queria ter (que já tinham nome e tudo!)...e afinal passados alguns anos de estranheza pelo facto dos filhos não virem souberam que não os podiam ter. Um choque para eles e para quem os acompanhava neste sonho grandioso. Estão há três anos a tentar adoptar e não põem condições...esperam irmãos se vierem...mas ainda nada. Essa minha amiga conhece os meandros das instituições e sabe como é que eles se mexem (ou não!) lá dentro...e é completamente abominável! Quem perde são as crianças...e os casais que querem dar o seu amor a quem precisa...

Belo e tocante post este.
Beijinhos grandes aqui da Teia.

MIMO-TE disse...

Blue,

Não é costume fazer isto, mas hoje vou também eu comentar.

Olha querida, eu também vivo neste mundo:) sei muito bem e tenho uma vasta experiência em termos de relações com todo o genero de pessoa.Acredita mesmo! Mas talvez por isso mesmo, tenho aprendido a ser mais tolerante ou melhor a não ficar em "ira" com todas as provocações e maldade que vou vendo, embora que algumas veses tristemente para mim também rebente.
Claro que não vou contar a minha vida, obviamente, mas nunca estive numa redoma, acho até que sempre estive no centro da zona de batalha.:) Mas em parte tens razão, por alguma razão, quem não pensa como eu acaba por se afastar. Não que eu afaste alguem, mas sempre achei que a sinceridade é uma arma poderosa.:) Estes casais, só são diferentes da maioria porque tem uma forma de viver especial, contudo nada lhes foi fácil, tiveram que lutar. Mas valeu a pena e eu simplesmente os acarinho e me aproximo porque me fazem tão bem e são um exemplo para mim.
Miminhos querida

MIMO-TE disse...

Acordomar,

Nobres acções, é mesmo isso :)

Bjo

Mimo-te

MIMO-TE disse...

Maria,

Juro que não é plágio, embora que tu também faças parte das pessoas com as quais quero aprender.
Concordo: "Beijo e ternura" Para ti também querida.

Mimo-te

MIMO-TE disse...

Pires,

Tens toda a razão.
Sabes eu estou sempre à espera do proximo ensinamento que a vida me irá dar. Isso é a essência da poesia.
Olha continuo com aquela dúvida :)))

Bjo
Mimo-te

MIMO-TE disse...

Su,

Entendo-te bem, conheço bem o sistema. É igual aos outros, em todo o lado é assim. Mas temos que ser excepção, quantos mais houver maior é a força. Lutemos com Amor e fé.

Bjo querida
Mimo-te

Sol da meia noite disse...

Li e comovi-me...
Sou mãe, mas senti os sentires que aqui descreveste... talvez porque as minhas duas filhas são tudo o que tenho. Entendo bem o universo se sentimentos que cada palavra aqui desenhada por ti encerra.

Beijos querida amiga

♥Coragem disse...

Que direi eu em relação a este post?
1º veio confirmar a pessoa que és, bonita, expressiva, sensivel e muito mais, pelo menos assim eu te vejo.
2º Por motivos que muitos sabem tambem eu sou Mae, não de adopção mas de acolhimento, para além de biologica. A diferença é minima, pois vivem comigo há 6 anos, (na altura com 8 e 13 anos, já sem prespectivas de adopção) duas crianças orfas, e viverão até bem entenderem...E sim são meus filhos do coração.
Os casos que apresentaste, são realmente casos de amor, no 3º caso para mim até amor demais, e entenda-se da seguinte forma, não receber nem sequer um sorriso de uma criança é a das coisas mais dolorosas da vida.
Beijinho e obrigado por postares casos como estes

Siala ap Maeve disse...

Já escrevi e apaguei porque não consigo exprimir os sentimentos que estas tuas palavras suscitaram em mim...o Amor é a maior força que existe, e sim, tudo é possível quando se acredita e se age com amor. Um grande bem haja ás pessoas cujas experiências relatas, porque são pessoas assim que nos fazem continuar a acreditar.
E a ti...por seres esse Ser bonito que és!
Beijos meus

MIMO-TE disse...

Querida Sol,

Eu sei... Bjo para as três.

Mimo-te

MIMO-TE disse...

Coragem,
Obrigada pelos mimos, não mereço, sou como todos cheia de defeitos e algumas qualidades. Enfim, aceito-me e isso já é bom. :)
Eu só sabia que eras mãe. Bom na realidade o que és é mesmo isso mãe e uma mãe Coragem, não é? Afinal valeu a pena escrever sobre este tema, porque não tem nada de ficção. Quando ao sorriso, esta mãe diz que o vê! Só ela o vê, incrivel, não é?

Bjo
Mimo-te

MIMO-TE disse...

Siala,

Obrigada,

É mesmo disso que quero falar, da essência do amor. No fundo um amor muito maior, como é o caso da Filomena, ela podia ter filhos biológicos, já tinha dois. Mas o seu coração pregou-lhe uma partida e sabes é uma mulher feliz, assim como o resto da familia.:)

Obrigada e beijos com muito mimo em ti.

Oliva verde disse...

Amar uma criança que sentimos mexer dentro de nós é inevitável!
Amar uma criança que alguém gerou é não só um acto de coragem mas, sobretudo, uma dádiva, um acto sublime de entrega!
Ainda bem que há crianças que encontram famílias assim!
Ainda bem que há famílias que encontram crianças assim!
O mundo tem coisas muito boas, na verdade!
Obrigada por teres partilhado connosco estas tuas experiências.
Beijinhos

♥Coragem disse...

"Quando ao sorriso, esta mãe diz que o vê! Só ela o vê, incrivel, não é?"

Caí...completamente!!!
E ainda com o nó na garganta, que acabei de dar a mim mesma,(mentira, foram as tuas palavras) digo apenas.
Vale a pena, a vida vale mesmo a pena.
E não é um Deus, nem sei quem seja, somos nós mesmos que crescemos, cada vez que um acto de amor é plantado, vale a pena...mesmo com todas as contrariedades da vida, vale a pena tentar ser cada dia uma pessoa melhor...
Um beijinho

Bichinho disse...

Carinhos, deixo...beijo fantasma.

Angel disse...

Olha Mimo-te..abordas um assunto muito interessante..que gostava de comentar de uma outra forma..mas..a unica coisa que me ocorre..é de louvar quem tem a coragem de fazer algo por uma criança..dar-lhe uma vida essas pessoas de mim têm todo o respeito era bom é que fosse mais fácil adoptar no nosso pais..ainda temos um longo caminho a percorrer...um beijinho para ti

A.ses.i.oM disse...

CORAGEM!!!... É o que acho que quem Adota uma Criânça tem!...
Um Imenso ABRAÇO para Quem tem essa Coragem!...

(Permite que faça aqui uma Homenagem a Essas Pessoas...)
E como Homenagem quero contar também que conheço um caso identico ao Teu último, sim, uma vizinha minha tem ao seu cuidado uma Criânça também com parilisia total, há vários anos que cuidam dele como um Filho, apesar das duas Filhas que têm, (agora já adultas e que o tratam como Irmão!), é uma Família de acolhimento e tratam desse 'Filho' como deles se tratasse ou ainda melhor... Fico impressionado com a Coragem principalmente com 'ELA', pois o marido embora esteja empregado, há anos ficou sem um braço num acidente profissional. Essa criânça que é completamente dependente, pois é necessário fazer-lhe tudo, desde dar-lhe de comer até às necessidades mais elementares é tratado com um Amor e Carinho que impressiona!...
Com a agravante que essa Criânça ficou assim não de nascença, mas porque em Bébé foi maltratado e foi retirado à família biológica e entregue a Esta Família de Acolhimento!...
Fico impressionado com a Coragem destas Pessoas!...

Um ABRAÇO e muitos MIMINHOS para Elas!!!...

E para Ti, um Miminho também... :)

MIMO-TE disse...

Oliva,

Ainda há quem saiba ser humano sim!

Bjo
Mimo-te

MIMO-TE disse...

Coragem,

Sorrio-te com ternura :)

Bjo
Mimo-te

MIMO-TE disse...

Bichinho,
Bjo Linda!!!

Angel,

Tens razão, somos especialistas em complicar... :)
Bjo

Mimo-te

MIMO-TE disse...

A.ses.i.om,

Fico feliz por contribuir para que possamos abordar temas que afinal dizem respeito a todos. Aa pessoas que homenageis tem todo o mérito e merecem-ne sem dúvida. Obg por dares também o testemunho de alguém que também sabe dar amor incondicionalmente. Que bom!

Bjo
Mimo-te

Célia Shanti Priya disse...

Amiga, essas suas borboletas me deixam apaixonada!!!BORBOLETA = TRANSFORMAÇÃO.....
Quem sabe se houver mais adoção...sem racismo por cor e idade...o mundo estará melhor...

beijocas

Ana disse...

muito interessante e comovente a abordagem deste tema.São histórias como estas que nos fazem reflectir em todos os pormenores que diariamente temos por hábito valorizar. penso que por vezes nos falta um pouco de amor naquilo que fazemos, e eu digo um pouco de amor, pois acredito que desta forma a vida já seria melhor com toda a certeza, agora se falarmos neste amor incondicional, nesta entrega total e nesta coragem que estas familias tiveram e continuam a ter, então tenho que prostar o meu corpo diante destas pessoas maravilhosas e acima de tudo humanas e dizer-lhes que o mundo é melhor porque elas simplesmente existem. Que tenham sempre tudo de bom.
E para ti mimo-te um grande beijinho.

Som do Silêncio disse...

Olá Mimo-te

Devido a problemas na net, só hoje consegui ler este post.
Este é um tema que mexe muito comigo, pois desde criança que sempre tive o desejo de adoptar.
Sou mãe como sabes,mas o desejo de adoptar sempre esteve em mim.
Sei também as dificuldades de tal desejo, mas infelizmente no nosso país é assim...
Pode ser que um dia, quem sabe?

Quanto aos teus amigos, são todos uns vencedores :)
A minha homenagem para eles num beijo terno que deixo.

Para ti...claro um beijo, um sorriso, e mais não digo (risos)

SF disse...

Sempre preferi acreditar que ainda existe gente muito boa no mundo :)
E, como vês, existe mesmo!
Mas também... amigo de gente boa tem mesmo que ser gente boa, 'né?
Beijinhos e mimos bons para ti

quintarantino disse...

Gostei de te ler e de te descubrir...

MIMO-TE disse...

Célia,

É mesmo isso amiga.:) Algo que no inicio até se pode considerar "feio", mas com o desenvolvimento/crescimento acaba por tornar-se lindo e livre, capaz de voar :)))
Um beijo querida
Mimo-te

Ana,
Penso que todos podemos chegar a esse amor incondicional e nada iguista, é uma questão de crescimento :) Chegaremos lá! :)))
Bjo
Mimo-te

Som,
Também acho que farias bem, pois há alguem que anda a ser muito mimado :))) e mais não digo! :)))
Bjo
Mimo-te

SF,
Existe sim, muitas, e outras que vão no caminho certo. Sabes, os olhos não mentem :)))
Bjo linda
Mimo-te

Quintarantino,

Sorrio-te....
Bjo
Mimo-te

rosa dourada/ondina azul disse...

Este post é verdadeiramente tocante, e emana muita ternura da tua parte.

Bem-Hajam todos os que de alguma forma acolhem, ajudam e preparam as crianças para uma vida digna na sociedade :)))


Beijinho p ti,

variasformasdearte disse...

:,(

Mimos cheios de ternura